As ruas do centro de Sydney estavam desertas hoje, início de duas semanas de fechamento da maior cidade da Austrália para conter a contagiosa variante Delta do coronavírus. Novas restrições podem ser anunciadas pelas autoridades. Enquanto isso, na Europa, o relaxamento das medidas contra a covid-19 se acelera, apesar do avanço da mutação identificada pela primeira vez na Índia.

Sydney já havia voltado ao normal após meses com pouquíssimos casos de contágio local. O país é um dos mais bem-sucedidos na contenção do coronavírus, com apenas 30 mil casos e 910 mortes, em uma população de 25 milhões de habitantes.

Nesta semana, no entanto, a cidade australiana registrou mais de 80 casos de covid-19, ligados a um motorista de táxi que levava passageiros do aeroporto para um hotel de quarentena. O fechamento de toda a metrópole entrou em vigor nas primeiras horas deste sábado, afetando mais de 5 milhões de pessoas no distrito comercial e nos ricos subúrbios ao leste.

A propagação do surto além dos distritos incluídos no ‘lockdown’ causou “preocupação crescente e mais intensa”, explicou Brad Hazzard, secretário da Saúde do estado de New South Wales. Ele disse que “a variante Delta revelou-se uma temerosa rival”. “Não importa quais medidas defensivas sejam tomadas no momento, o vírus parece saber como contra-atacar”, acrescentou.

 

Liberalização na Europa

A variante Delta, mais contagiosa, causa preocupação em todo o mundo. A expansão a cepa levou, há várias semanas, à volta da epidemia no Reino Unido, apesar de o país ter o mais alto índice de vacinação da Europa. Mesmo assim, o ritmo de flexibilização das medidas de contenção do vírus se acelera em outros países do continente.

Na Espanha, Suíça e Itália, o uso de máscaras ao ar livre deixa de ser obrigatório entre hoje e segunda-feira (28). O governo suíço também derrubou outras medidas e flexibilizou as regras para a entrada de viajantes estrangeiros no país, inclusive do Brasil. Os turistas vacinados agora voltam a ser bem-vindos.

Na sexta-feira, a Islândia se tornou o primeiro país europeu a acabar com todas as medidas nacionais de contenção da covid-19, graças aos números da vacinação. A Itália abolirá totalmente o toque de recolher, que ainda estava em vigor em uma região do país.

 

Variante deveria ser contida já

A situação é perigosa, advertem especialistas e autoridades sanitárias: se, por um lado, a epidemia experimenta uma relativa queda, com o menor número de novos casos diários desde fevereiro, conforme a OMS (Organização Mundial da Saúde), por outro lado a variante Delta pode gerar novas ondas epidêmicas pelo mundo se nada for feito para contê-la desde já.

Ontem, Israel – um dos país com maior proporção de vacinados do planeta – anunciou novas restrições para frear o aumento das contaminações pela doença. O uso de máscaras em lugares fechados e empresas voltou a ser exigido. Na Rússia, Moscou determinou a volta do trabalho em home office para 30% dos trabalhadores em empresas, para enfrentar a recrudescência do coronavírus devido à variante Delta, na capital.

 

Fonte: UOL
Foto: Saeed Khan/AFP