O presidente dos EUA, Donald Trump, disse em seu perfil no Twitter neste sábado (19) que considera uma “obrigação, sem demora”, a escolha de um novo juiz para a Suprema Corte dos Estados Unidos. O anúncio vem após a morte da mais antiga juíza e líder da ala liberal, Ruth Bader Ginsburg, na sexta-feira (18), aos 87 anos, por complicações de um câncer no pâncreas.

“Fomos colocados nesta posição de poder e importância para tomar decisões pelas pessoas que nos elegeram com tanto orgulho, a mais importante há muito tempo é considerada a escolha dos juízes da Suprema Corte dos Estados Unidos. Temos essa obrigação, sem demora!”

A morte de Ginsburg dá a Trump a chance de expandir sua maioria conservadora na Corte, com uma terceira indicação em um momento de profundas divisões no país, às vésperas das eleições presidenciais em 3 de novembro.

Nos EUA, os 9 juízes da Suprema Corte são nomeados de forma vitalícia, ou seja, ficam no cargo até o fim da vida.

Os juízes da Suprema Corte, os juízes do tribunal de apelações e os juízes dos tribunais distritais são nomeados pelo presidente dos Estados Unidos e confirmados pelo Senado, segundo a Constituição norte-americana.

Segundo a rede de notícias ABC News, citando fontes próximas ao Salão Oval, a lista de possíveis indicados para o assento na Corte inclui pelo menos uma representante mulher.

 

Líderes no Senado divergem

O líder dos senadores democratas, Chuck Schumer, já se pronunciou e disse que o assento de Ginsburg não deveria ser ocupado antes das eleições de novembro. Atualmente, sem a juíza, a Corte se mantém com cinco juízes conservadores e três liberais.

Já o líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, disse que a Casa vai apoiar a indicação de Trump para a vaga de Ginsburg. Ao ser informado da morte da juíza, Trump disse a jornalistas que lamentava sua morte e que, “concordando ou não”, ela foi uma “mulher maravilhosa que viveu uma vida maravilhosa”.

 

Fonte: G1.com
Foto: Reprodução